AVISO: Tendo em vista que as iniciativas foram publicadas a partir do início da pandemia, em março de 2020, os interessados em participar de qualquer iniciativa devem procurar confirmar as informações nos canais de contato das iniciativas.

Nós, povo Munduruku do alto e médio Tapajós, estamos sendo mortos pela Covid-19: dez entre os nossos e nossas anciãos e anciãs, guardiões e guardiãs dos nossos conhecimentos, guerreiros e guerreiras, já se foram. Outros estão em estado grave. Nas cidades mais próximas dos nossos territórios ou não há leito de UTI (caso de Jacareacanga, Alto Tapajós), ou há poucos respiradores (em Itaituba, Médio Tapajós). Nessa situação precária, não tem como sobreviver, e o sofrimento dos nossos parentes só aumenta. Sempre lutamos para defender o rio Tapajós e a Amazônia dos projetos de morte que ameaçam nosso modo de vida e a vida de todos os seres da floresta. Mas mesmo com a pandemia, as invasões às nossas terras só aumentam. Em abril, a T.I. Munduruku foi a mais desmatada do país. E o governo incentiva o desmatamento, a grilagem de terras e se recusa a demarcar e fiscalizar as terras indígenas. Os invasores sempre trouxeram doenças e morte, e agora trazem a Covid-19. A luta pelo território e pela saúde é uma só.