incluir uma iniciativa

Observatório Antropológico – Mapeamento e fortalecimento das ações de combate ao COVID 19

Estado(s): PB

Cidade(s): João Pessoa, Sousa, Conde, Bayeux, Mamanguape, Rio Tinto

Atualizado em 06/05/2020

O QUE É

A partir das relações de pesquisa estabelecidas no campo das Ciências Sociais — em especial a Antropologia —, a proposta de atuação deste projeto é identificar problemas sociais causados pela pandemia de Covid-19 (coronavírus). E, aliado a isso, realizar a busca de soluções rápidas, cujos efeitos sociais sejam o fortalecimento de direitos dos povos e comunidades etnicamente diferenciados e das populações em situação de vulnerabilidade social diante da pandemia, a exemplo dos quilombolas, ciganos e pessoas que vivem nas periferias urbanas. Como metodologia, a partir da delimitação inicial dos grupos participantes em função da experiência prévia da equipe formada, iniciamos a criação dos meios comunicativos para o seu acompanhamento e escuta ativa e o planejamento das ações subsequentes, levando em conta o refinamento constante das metodologias dialógicas. As ações propostas percorrem o mapeamento de demandas de grupos em situação de vulnerabilidade social, a formulação e execução de respostas criativas à crise, o apoio a iniciativas solidárias já existentes, a distribuição de materiais preventivos, como máscaras e álcool gel, e a criação e divulgação de materiais audiovisuais de conteúdo científico de combate à pandemia. Como resultados, esperamos que, além do combate aos efeitos diretos da pandemia, seja possível fomentar entre estudantes e a sociedade de modo mais amplo uma percepção de diversidade e pluralismo e estimular o combate à estigmatização e desigualdade no Brasil acirradas com o coronavírus.

PARA QUEM

São grupos em situação de maior vulnerabilidade diante da pandemia, como população em situação de rua, ciganos Calon, povos e comunidades indígenas, quilombolas de Mituaçu (Conde), população trans e periferias urbanas localizadas nos municípios de João Pessoa, Conde, Mamanguape, Sousa e Bayeux. Também buscamos colaborar com a diminuição de casos de violência doméstica, ao fazer campanhas sobre os canais de denúncias de violência junto a crianças e adolescentes e a discriminações de gênero.

COMO PARTICIPAR

Veja as principais contribuições que estamos acolhendo:

*Pautas de reportagens: se você gostaria que tratássemos um tema específico, liste os principais pontos a serem abordados e forneça algumas fontes de consulta, dando prioridade para dados oficiais ou análises científicas e de organizações sociais. Podem ser reportagens também, desde que de fontes confiáveis.

*textos acadêmicos: pode nos enviar textos que dialoguem com nossa proposta, escritos no contexto da pandemia.

*relatos de lideranças: se você quer fazer o relato da situação de sua comunidade ou de uma comunidade que conhece bem, é importante descrever:
local, grupo, fone de contato, breve relato e como seria melhor apoiar.

*relatos de profissionais de saúde: traga um relato de como está o seu espaço de trabalho, se está sendo possível ter acesso à EPI, se vocês precisam de algum tipo de doação ou se já há alguma campanha ativa.

CONTATO

whatsapp: 51 982337484 (Patrícia)