Segunda dose da vacina contra a Covid-19 deve ser tomada mesmo por quem perdeu o prazo

Atualizado em 6/8/2021

Para Marta Heloísa Lopes, não voltar para a segunda aplicação é desperdício, pois a pessoa não estará completamente protegida e não contribui com a imunização coletiva

No último sábado (5/6), o governo de São Paulo promoveu o “Dia D” da vacinação no Estado, com o objetivo de aplicar a segunda dose em quem não compareceu aos postos no prazo indicado. Com o surgimento de novas variantes e a possibilidade de uma terceira onda, a imunização em regime completo é ainda mais importante no combate à pandemia.

Ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Marta Heloísa Lopes, responsável pelo Centro de Imunizações do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (FM) da USP, comenta a importância de tomar as duas doses do imunizante. “Nós só vamos estar realmente protegidos depois de aproximadamente 15 dias do esquema completo.” Para Marta, não voltar para a segunda dose é desperdício, pois a pessoa não estará protegida e ainda atrapalha a imunização coletiva. Quanto mais pessoas completamente vacinadas, mais difícil a circulação do vírus. Dessa forma, a proteção das crianças, que ainda não são vacinadas, passa pela imunização dos adultos.

A professora explica que a segunda dose serve para completar a imunização. Ainda não está certo se doses de reforço serão necessárias, mas neste momento o importante é montar uma resposta imune adequada para que já tenhamos anticorpos quando entrarmos em contato com o vírus.

Segundo Marta, mesmo que o prazo tenha passado, é preciso e necessário voltar para tomar a segunda dose. “Se passar um pouquinho do tempo, não tem problema”, afirma. A professora explica que o ideal é seguir o cronograma indicado, mas quem perdeu o prazo deve tomar a segunda dose, sem a necessidade de repetir a primeira. Algumas pessoas não se vacinam com medo de reações, mas Marta ressalta que efeitos colaterais graves são raros.

https://jornal.usp.br/atualidades/segunda-dose-da-vacina-contra-a-covid-19-deve-ser-tomada-mesmo-por-quem-perdeu-o-prazo/
.

Fonte: Jornal da USP