QUAL É A SUA MEMÓRIA?

AUREO ALMEIDA DE OLIVEIRA
SECRETÁRIO EXECUTIVO DO COEP MINAS
Aconteceu em 05/12/2016

PROJETO VALE MAIS SAÚDE DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE – UNIBH

O Projeto Vale Mais Saúde foi idealizado pelos professores Wander de Jesus Jeremias e Maria Elena Walter, à época integrantes do corpo docente do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde do Centro Universitário de Belo Horizonte – UNIBH, sendo concebido em 2016, quando passou a contar também com a participação da professora Adriana Coelho Soares. Mais adiante, em 2018, a professora Daniela Veloso Starlling passo a integrar o corpo docente do projeto. O objetivo principal era implementar melhorarias na qualidade da água consumida por moradores carentes da zona rural do município de Comercinho, Vale do Jequitinhonha, região nordeste de MG, além de promover atividades de educação em saúde e buscando assim melhorar condições gerais de saúde daquela população.

Para contemplar este objetivo, as atividades principais envolviam realização de oficina de montagem de cloradores feitos com tubos e conexões de contrução civil com os moradores e agentes de saúde do município, seguindo-se a instalação dos cloradores nas residências. Foram, então coletadas amostras de água, previamente a instalação e, posteriormente a instalação, do clorador, para posteriores análises físicas, químicas e microbiológicas das amostras. Foram ainda realizadas ações educativas, recreativas e sociais em espaços de grande circulação de pessoas, como praça central da cidade, em escolas ou mercado local, com prestação de informações ao publico em geral sobre saúde e bem estar.

A cidade de Comercinho faz parte do Vale do Jequitinhonha, com população estimada em 8298 pessoas em 2015, sendo este conhecido pelo alto índice de pobreza, assim como desnutrição, falta de auxílio a doenças e de informações em saúde (índice de desenvolvimento humano municipal IDHM 2010 de 0,593 – IBGE, 2015).
A população residente da cidade se beneficia com a água tratada e recolhimento de lixo. A rede de água supre 36,4% das residências. Porém, os moradores da zona rural não possuem acesso a esses benefícios, o que cria uma complexa rede fatores que favorecem em muito a contaminação por várias doenças de veiculação hídrica. A população rural compreende a quase totalidade dos 57,8% dos moradores que utiliza poço ou nascente, além de 5,8% que emprega forma diversa de abastecimento de água. A rede de esgoto atende a apenas 11,6% da população, sendo que 19,1% das residências usam fossa séptica. Outros escoadouros são fossa rudimentar (24,1%) e vala (0,2%), e um dado alarmante: 45% das habitações não possuem instalação sanitária alguma.

Consideradas em associação, essas informações justificaram o desenvolvimento deste projeto, que objetiva informar a população sobre os riscos de desenvolvimento de doenças aos quais estão expostos, bem como sua rede de profissionais em saúde, que podem ser agentes de melhoria constante das condições de saúde local, ao implementarem ações, para as quais tenham sido treinados dentro da iniciativa.

É de fundamental importância as parcerias estabelecidas com instituições de notável destaque em suas áreas de atuação, destacando-se o CO EP (Comitê de Entidades no Combate a Fome e Pela Miséria) e o projeto institucional Imagens da Terra – Vale do Jequitinhonha, da Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ. Sem o apoio logístico e técnico destes parceiros, a realização do projeto seria inviável.

A seguir, um breve histórico das atividades desenvolvidas durante o tempo de desenvolvimento do projeto:
FOTO 1
Primeira incursão a Comercinho (2016) – Equipe do projeto (esquerda); Preparo de materiais para coleta de água (direita).
FOTO 2
Atendimento da comunidade em praça pública (Município de Comercinho) – prestação de informações em saúde; aferição de pressão arterial, glicemia e IMC; orientações sobre qualidade da água.
FOTO 3
Coleta de água de fonte pública (Município de Comercinho)
FOTO 4
Apresentação do clorador e prestação de informações sobre qualidade de água de consumo e saúde coletiva.
FOTO 5
Integrantes da equipe em reunião do COEP MG (Comitê de Entidades no Combate a Fome e Pela Vida), 2017.
FOTO 6
Instalação de Cloradores
FOTO 7
Treinamento de residentes para manuseio e operação dos cloradores
FOTO 8
Coletas de água de residências para análise físico química e microbiológica.
FOTO 9
Análise microbiológica de amostras de água: Teste de coliformes fecais – esquerda (Amarelo = negativo; Azul/esverdeado = positivo); Teste de E. coli enteropatogênica – direita (Sem fluorescência = negativo; Fluorescente = positivo)
FOTO 10
Aferição de pressão arterial e prestação de informações em saúde cardiovascular.
Medida de glicemia capilar e prestação de informações em diabetes melitus.
Determinação de índice de massa corporal.
Oficinas de saúde da mulher e saúde do homem (Localidade de Palmital e Córrego Fundo).
FOTO 11
Oficina sobre violência doméstica (Município de Comercinho).
FOTO 12
Sarau de valorização da cultura local. Manifestação de moradores da zona rural, exprimindo suas impressões e sentimentos sobre a vida em sua comunidade.