Coronavírus – Os testes

Atualizado em 21/8/2020

Há dois tipos de testes para o novo coronavírus , o RT-PCR e o sorológico. Veja as diferenças entre eles.

Os testes para o coronavírus nos deixam confusos.

Todos sabem que existem dois tipos: aquele do cotonete comprido, introduzido nas fossas nasais e na garganta (molecular ou RT-PCR), e o outro, colhido na ponta do dedo ou na veia (sorológico).

No RT-PCR, pesquisamos diretamente o material genético do coronavírus nas secreções nasais e na orofaringe. Quando o resultado é positivo, há certeza da presença dele. O diagnóstico está feito.

No sorológico, procuramos detectar anticorpos específicos numa gota ou no sangue colhido na veia. É um exame indireto: se existem anticorpos é porque houve contato com o vírus.

Enquanto RT-PCR faz o diagnóstico da infecção atual, o sorológico conta uma história do passado, já que o início da produção de anticorpos costuma ocorrer pelo menos uma semana depois da aquisição do vírus. Não serve para diagnosticar a infecção atual, sintomática ou não, mostra apenas que ela ocorreu. Quando? Há uma semana, duas, dez? É impossível saber, porque um dos tipos de anticorpo (IgG) pode persistir no sangue por meses ou anos.

Na coluna de hoje, prezado leitor, vamos falar das dúvidas mais frequentes sobre o teste RT-PCR.