Alergia ou Coronavírus? Especialista ajuda a diferenciar os sintomas com a chegada da primavera

Atualizado em 2/10/2020

A chegada da primavera tem vários efeitos na saúde das pessoas que sofrem de problemas alérgicos. (…) O afloramento de outras espécies podem causar desconforto ao respirar, coceira nos olhos, espirros, entre outros sintomas, o que pode levantar suspeitas de coronavírus devido à semelhança dos sintomas. Diante disso, surge a questão de como diferenciar uma condição alérgica de Covid 19?

Maribel Alvarado, otorrinolaringologista e professora de Fonoaudiologia da Universidade Autônoma do Chile, explica que é importante levar em consideração os antecedentes alérgicos das pessoas e, caso não haja histórico de alergias, examinar bem os sintomas. “É normal que haja congestão nasal, coceira ou coceira no nariz, garganta, olhos lacrimejantes e até perda do olfato, quem está tomando um antialérgico vai desaparecer”, diz a especialista.

Tomar um medicamento antialérgico pode reduzir quase imediatamente o desconforto, mas este também pode permanecer por 3 a 5 dias se for uma rinite alérgica, diz ela. Então, quando você precisa se preocupar?

A principal diferença indicada pela professora é que no quadro alérgico os sintomas não pioram com o passar dos dias, mas permanecem até que algum medicamento seja tomado. Ao contrário do vírus, que produz desconforto que piora com o tempo. “É fundamental monitorar idosos e pessoas em situação de risco, pois os sintomas são semelhantes. Pode ser Covid se passarem mais de 5 dias e os desconfortos não melhorarem, mas se tornarem mais agudos, como tosse e falta de ar. É quando é conveniente consultar a equipe médica ou ir a um posto de saúde ”, explica.

Nesse período, as pessoas mais suscetíveis a determinados alérgenos são as mais afetadas, pois seus anticorpos são mais sensíveis a esses elementos, como o pólen. O especialista detalha que, ao entrarem no nariz, produzem um edema na mucosa nasal, que acaba obstruindo as fossas nasais, cavidades que aumentam de espessura como medida de proteção.

Por isso, ele aconselha experimentar antialérgicos de venda livre nas farmácias e também evitar a exposição a alérgenos que causam desconforto. Além disso, como dupla função, Dra. Alvarado reforça o uso da máscara. “Isso funciona como uma barreira protetora, fazendo com que o antígeno não entre em contato com a mucosa”, conclui.
.

Fonte: El Mostrador