Risco de transmissão do coronavírus por alimentos é baixo, afirma professor da Veterinária

Atualizado em 25/9/2020

Na quinta-feira, 13/9, uma prefeitura da China anunciou que tinha detectado material genético do novo coronavírus na superfície de uma amostra de frango congelado importado do Brasil. De acordo com autoridades chinesas, o lote pertencia ao frigorífico do estado de Santa Catarina. Na ocasião, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou uma nota ressaltando não existir comprovação científica de que o novo coronavírus possa ser transmitido por meio de alimentos congelados.

Em entrevista ao programa Conexões, da Rádio UFMG Educativa, nesta quarta-feira, 19, o professor Nelson Rodrigo Martins, da Escola de Veterinária da UFMG, esclareceu que o material que foi identificado nesses lotes de frango congelado é apenas o genoma do vírus, e não o vírus completo. “Ou seja, isso pode significar que nem há partículas contaminantes do vírus nesses alimentos”, complementou.

Nelson Martins afirmou também que o risco de transmissão do coronavírus por meio do consumo de alimentos é bastante baixo, “uma vez que esse é um vírus muito sensível ao tratamento térmico dado na cozinha aos alimentos”. Particularmente em relação ao frango, o professor lembrou ainda que o risco é mais reduzido por não ser comum a ingestão dessa proteína crua.

“Há muito tempo se recomenda que a manipulação do frango, na cozinha, seja feita após a manipulação de alimentos que serão consumidos crus. Em ambientes de cozinha, primeiro se deve manipular a salada e depois o frango. Assim, evita-se a contaminação dos alimentos”, explicou.

Segundo autoridades chinesas, a carga de frango na qual teria sido encontrado material genético do novo coronavírus é proveniente de um frigorífico da empresa Aurora. Depois de a notícia ter sido divulgada, a empresa publicou nota informando que “as medidas estabelecidas pelas autoridades públicas, relativas ao combate à pandemia, estão sendo integralmente seguidas e cumpridas. É observado também um rigoroso protocolo individual, aprimorado continuamente, de cuidados com seus colaboradores e terceiros”.

Na segunda-feira, 17/9, o Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina divulgou a informação de que a empresa Aurora tinha firmado o compromisso de testar 11 mil trabalhadores para o novo coronavírus.

Também nesta semana, o governo de Hong Kong anunciou que suspendeu as importações de frango do frigorífico responsável pela carga. Segundo comunicado emitido pelo Centro de Segurança Alimentar local, o órgão intensificou a testagem para covid-19 em cargas de carne de frango importadas do Brasil. Na última sexta-feira, as Filipinas também proibiram temporariamente as importações de carne de frango brasileira.

A China já anunciou a suspensão de importações originárias de frigoríficos de vários países, por causa do suposto risco de transmissão do novo coronavírus em cargas congeladas.
.

Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais