Problemas de saúde mental mais comuns durante uma pandemia

Atualizado em 17/7/2020

No atual momento, as pessoas estão assustadas e apreensivas com a pandemia. Esse nível de estresse e medo é ruim para a saúde mental da população, que pode apresentar diversos problemas em relação a questão psíquica ou, até mesmo, agravar quadros já existentes.

Quando falamos de saúde mental, nos referimos ao equilíbrio das emoções das pessoas, o alívio de sofrimentos, o desenvolvimento das capacidades produtivas e intelectuais, como também, do uso adequado dos mecanismos de defesa do ego.  

Como nosso foco é o momento da pandemia, é fundamental saber identificar quando a nossa saúde mental está abalada. Entretanto, talvez o mais importante dessa situação seja saber o que fazer quando reconhecer alguns desses sintomas. Por isso, trago algumas recomendações.

Os problemas de saúde mental mais comuns durante uma pandemia

Ansiedade

Muitas pessoas podem estar sentindo uma ansiedade exacerbada durante esse período. O caos psicológico instaurado causa esse efeito. Uma pessoa está ansiosa quando altera o nível de tolerância para manter-se estabilizado. O nervosismo, a falta de paciência e os sentimentos de medo e preocupação se fazem presentes.

Dessa forma, a pessoa gasta muita energia com essas emoções e não tem disponibilidade emocional para lidar com sua rotina e compromissos a serem cumpridos. Mesmo assim, é uma situação que pode ser controlada.

Então, quando o indivíduo chegar nessa etapa, ele precisa buscar ajuda psicoterapêutica para que a doença não se instale. Somente assim, ele conseguirá retomar sua vida e administrá-la com propriedade.

Depressão

Uma tendência do isolamento é precisar lidar com fortes sentimentos de angústia e tristeza. Sendo assim, a depressão pode se instalar nesses momentos. Nessa situação, a pessoa fica imensamente focada no seu mundo interno e procura distanciamento das relações com o mundo exterior.

Nesse sentido, é importante compreender os sentimentos desses indivíduos. Para eles, tudo na vida perde significado e mesmo as pessoas mais importantes, também perdem o real valor no relacionamento. Além disso, o choro ocorre de forma constante nessas situações.

Mesmo com esses sintomas, é comum o indivíduo resistir a tratamentos psicoterapêuticos. Nesses casos, a ajuda de familiares precisa ser firme e objetiva, envolvendo-se em conjunto no processo terapêutico. Mais do que nunca, é imprescindível a presença das pessoas mais próximas do paciente, através do psicólogo, pois há casos de risco de suicídio.

Síndrome do pânico

O surto do coronavírus pode ser um gatilho para a doença. A sensação de perigo iminente é uma característica que costuma aparecer nos portadores dessa questão mental, independente de ameaças reais. Então, imagine o efeito que a pandemia pode desencadear nesses indivíduos.

Na síndrome do pânico, a pessoa apresenta sintomas como: medo de perder o controle, medo da morte, sensação de estar fora da realidade, palpitações cardíacas e suor excessivo em algumas partes do corpo.

Também, é muito importante o apoio e a busca de atendimento psicoterapêutico com iniciativa da família. Fique atento, pois se a atual pandemia desencadeou essa síndrome, os ataques de pânicos poderão ocorrer em outros momentos da vida. Portanto, é indicado o tratamento psicológico.

O psicólogo se faz presente

O psicólogo é a figura principal para tratar desses problemas de saúde mental. Esse profissional está tecnicamente preparado para lidar com as adversidades da vida, além de cuidar do lado emocional das pessoas.

Ele se faz presente por sua capacidade de ouvir e por entender você com toda a empatia. Com certeza, o tratamento irá ajudá-lo a sair de seus sintomas e fará você prosperar em sua vida com toda a plenitude de seu ser.

Então, se você perceber que está precisando de ajuda psicoterapêutica, conte com o psicólogo. Ele é o profissional mais preparado para ajudar tecnicamente em momentos de pandemia ou nos momentos mais cruciais de sua vida.

Psicóloga Beatriz Campos – CRP 12/04116

Fonte: Televita