Cartazes, carro de som e adaptações de musicas de funk contra o coronavírus

Atualizado em 5/6/2020

Cartazes, carros de som e adaptações de músicas funk são estratégias adotadas por moradores de comunidades periféricas para tentar minimizar os danos da pandemia do novo coronavírus

Cartazes, carros de som e adaptações de músicas funk são estratégias adotadas por moradores de comunidades periféricas para tentar minimizar os danos da pandemia do novo coronavírus em áreas de risco. No Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, entidades criaram um gabinete de crise para elaborar ações de conscientização sobre a importância de lavar as mãos e evitar aglomerações.

Diante dos desafios para combater a covid-19 nas favelas, representantes de entidades da sociedade civil se organizam em todo o País para suprir lacunas em regiões desassistidas pelo Estado. Além de reunir doações de alimentos e itens básicos de higiene, um dos principais desafios das organizações é fazer as entregas chegarem aos beneficiários de forma segura, sem chance de contágio.

“Tá ligado no coronavírus? Deixa eu te passar a visão. Essa doença triste que afetou nosso mundão. Vamos ter consciência e fazer toda a prevenção para nossa comunidade. Lave as mãos frequentemente, com água e sabão. Evite sair de casa para não ter aglomeração”, diz um trecho de uma música funk criada pelo Coletivo Papo Reto, do Complexo do Alemão.

“Sabemos que temos um precário abastecimento de água. Caso você tenha água em casa, compartilhe com quem precisa. Escolha o bom senso e, se possível, colabore com aqueles menos informados para passarmos bem por esse momento”, afirma um cartaz divulgado pelo grupo Juntos Pelo Complexo do Alemão. “Sua saúde é muito importante. Não deixe de lavar as mãos e manter sua casa arejada”, diz outra mensagem.

Fonte: Jornal de Brasília, com informações do O Estado de S. Paulo