Campanha Junho Vermelho busca intensificar doação de sangue na pandemia

Atualizado em 13/6/2020

A necessidade de isolamento social devido à pandemia de covid-19 trouxe o receio da população em manter as doações voluntárias de sangue, o que fez com que os estoques usados para pacientes que sofrem de outras doenças e precisam passar por procedimentos que dependem das transfusões de sangue caíssem significativamente, segundo apontou a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH).

A associação intensifica o alerta do Junho Vermelho, mês dedicado à conscientização da importância de doação de sangue, neste contexto da pandemia. “A população precisa ter claro que doação de sangue, tão essencial para salvar vidas, não representa nenhum risco aos doadores de sangue. Basta que se tome os cuidados gerais referentes a evitar situações de aglomerações”, disse Dante Langhi, presidente da ABHH.

Ele orienta que as pessoas voluntárias interessadas em doar sangue entrem em contato com os bancos de sangue para agendamento prévio do procedimento. “Os bancos de sangue, por sua vez, devem estar organizados neste sentido para evitar aglomerações”.

Em cada doação é retirada a quantia de aproximadamente 450ml de sangue. O processo é rápido, indolor e não oferece qualquer risco ou prejuízo à saúde.

Pré-requisitos:
– Estar em boas condições de saúde;
– Ter idade entre 16 e 69 anos. Menores de 18 anos devem estar acompanhados pelos pais ou por responsável legal. O limite de idade para a primeira doação é de 60 anos;
– Pesar no mínimo 50kg;
– Não estar em jejum e evitar alimentação gordurosa;
– Ter dormido pelo menos 6 horas antes da doação;
– Não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação;
– Não fumar pelo menos duas horas antes da doação;
– Apresentar documento oficial de identidade com foto.

Impedimentos temporários:
– Gripe ou febre;
– Gestantes ou mães que amamentam bebês com menos de 12 meses;
– Até 90 dias após aborto ou parto normal e até 180 dias após cesariana;
– Tatuagem/maquiagem definitiva, nos últimos 12 meses;
– Exposição à situação de risco para HIV/AIDS;
– Herpes labial ou genital.

Impedimentos definitivos:
– Hepatite após os 11 anos de idade;
– Evidência clínica ou laboratorial, das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, vírus HIV, AIDS, doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
– Uso de drogas ilícitas injetáveis;
– Malária.

Além disso, existe um intervalo entre as doações que deve ser respeitado:
Mulheres: período de 90 dias. Máximo de 3 doações, nos últimos 12 meses.
Homens: período de 60 dias. Máximo de 4 doações, nos últimos 12 meses.

Outros critérios que impedem a doação de sangue serão verificados na entrevista de triagem, por isso, seja sempre muito responsável e sincero nas respostas.

Fonte: Agência Brasil e Amafresp